14.9.14

apenas ter-te



Nunca mais vou correr escadas acima atrás de ti até ao teu quarto. Nunca mais vou sentir as tuas cócegas. O teu olhar. Os teus beijos. Nunca mais vou ouvir os teus amo-te. Não vou poder voltar a sentir o teu corpo ou voltar a adormecer enroscada a ti. Não vão haver mais despedidas de boas noites ou mensagens de bons dias. Não iremos voltar a tomar banho juntos. Não vais voltar a enrolar-me na toalha, daquela maneira que só os homens as sabem prender. Não vais voltar a dar-me as mãos quando estiveres no acento da frente do carro e eu atrás. Não vou voltar a escolher a roupa que vais comprar. Não vou poder voltar a provocar-te ou a fazer-te sorrir. Não vou voltar a poder abraçar-te por trás e beijar-te as bochechas centenas de vezes enquanto sorris. Não vou fazer mais saladas para o almoço em tua casa. O teu pai não vai voltar a obrigar-me a comer fruta. Não vamos jogar mais vezes às cartas com o teu irmão. Não vamos ver mais filmes juntos enrolados numa manta. Não vou poder voltar a chatear-te por não estares comigo. E a tua voz? E o teu corpo? Os teus abraços? Nunca mais. Não vou voltar a fazer par contigo enquanto jogamos matraquilhos. Não vais voltar a mandar-me beijos quando ganhamos. Não vais voltar a entrar em casa do meu pai às escondidas durante a noite. Nunca mais vais consultar o dicionário por mim enquanto estudo. Ou mandar-me fotos nojentas. Não vou voltar a comprar prendas para ti. As pessoas vão perguntar-me por ti e eu não saberei o que dizer. Vou ficar com vontade de chorar se perguntarem se estou bem porque não, não estou bem sem ti. Nunca mais vou voltar a ir contigo para o Barreiro ou até para o Algarve. Não vou poder ter o orgulho de ser tua namorada. Não vou poder dizer-te o que sinto. O especial que és. O vazio que deixaste. A falta que os nossos momentos fazem. E pior que tudo isso, é que não foste um qualquer. Não foste uma semana, não foste um mês, meio ano, foste muito mais que isso. Foste mais que um ano. E eu estou tão ligada a ti, a tudo o que fizemos juntos. Foste real na minha vida e amaste-me tão loucamente como te amei a ti. Gostaste tanto dos nossos momentos como eu. O pior, é que consegui amar-te ainda mais do que alguma vez amei alguém. Como posso aprender a não ser tua namorada? Não sei não o ser. Eu quero agradar-te novamente. Quero agarrar-te e sentir-te meu. Não quero que me deixes. Não quero sentir o quanto isso me magoa. Quero fingir que não está a acontecer. Quero apenas ter-te, pode ser? Quero apenas que esqueças tudo e fiques comigo.

~ 4 ♥: ~

Ana. says:
at: 14/09/14, 11:26 disse...

oo que querida, o texto está tão sentimental :c muita força

Ana Rita says:
at: 14/09/14, 13:43 disse...

Lindo e tocante. Escreves muito bem!

http://laboiteamerveilles.blogspot.fr/

Sarafaela says:
at: 16/09/14, 14:39 disse...

O texto está lindo querida, e tenho realmente muita pena que não tenha resultado, tu mereces ser feliz querida :)

Carina Sofia says:
at: 22/09/14, 16:14 disse...

OHhh que texto :ooo
Mas infelizmente, eu compreendo-te muito bem. Aconteceu-me exatamente o mesmo. Espero que estejas bem.

~ Enviar um comentário ~

comenta (:

+

Seguidores

Espreitadelas:

α♥. Com tecnologia do Blogger.

♥ em letters

.

⇨ facebook

⇨ tumblr

⇨ SEGUE